terça-feira, 16 de maio de 2017

867, 00h40 de um sábado



Constantemente a gente pensa como as coisas seriam se tivéssemos feito de forma diferente. Mas dessa vez não foi exatamente assim. voltando pra casa sozinha, chapada, olhando aquele céuzão que só uma noite carioca pode proporcionar e tudo mais, eu só pensava em como as coisas seriam se eu tivesse sido diferente. Se eu não fosse de um signo de água, se eu não tivesse toda essa ansiedade que me impede de ser misteriosa ou subjetiva, se eu não tivesse a ansia de saber como as coisas estão e como elas vão ficar. Entende? Se eu não tivesse constantemente atrás da resposta da única pergunta que ainda me atormenta "o que exatamente voce sente por mim?". É por causa disso tudo que fomos parar onde estamos.

Mas será mesmo que eu fui a única culpada por essa porra toda? Se eu bem me lembro - e eu me lembro, porque eu não esqueço nada, voce sabe - o teu excesso de subjetividade foi que me deixou a ansia, a sua inscontancia nos fez mal, o seu sarcasmo e arrogancia desgastou e principalmente a sua covardia foi responsável pela nossa desistencia. Talvez eu não devesse me culpar tanto.

Continuando a pensar sobre todas essas nossas características opostas e inevitáveis.. eu gostava do seu egoísmo, no início. Ele me fez perceber que ser egoísta é uma grande jogada para ser feliz nesse mundo que vivemos. Eu gostava das suas palavras difíceis bem misturadas que é pra gente só entender um pouco do que se passa na sua mente. Era interessante. E que foi provavelmente por toda a minha impulsividade que voce olhou pra mim também.

Por causa de todas essas coisas, que viraram chatos defeitos, a gente se conheceu e se envolveu e se gostou. Talvez as coisas tivessem terminado de uma forma melhor se eu fosse menos isso ou voce fosse mais aquilo, mas não é o caminho que importa?
Mas não é dessas coisas que somos formados? Mas não são as nossas atitudes, nossa gritaria, nossas discussões constantes mas também nosso humor sarcástico e idiota que fez sermos tão próximos? Isso somos nós. E as coisas não teriam sido tão intensas se não fóssemos puramente nós ali, o tempo todo.

Então eu pensei, eu não queria ter conhecido ninguém diferente do que voce é. E eu não queria que voce tivesse conhecido ninguém diferente do que eu sou. As coisas poderiam ter sido diferentes, até mesmo melhores, mas se fossem outras pessoas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário